Cultura • Entretenimento

09 de Novembro de 2017

Misto de preconceitos, Madame Satã é exibido pelo Cine Bosque nesta terça

Filme faz parte da programação do mês da Consciência Negra;

sessão gratuita começa 20h30

 

Amante, rebelde, homossexual, pai adotivo e marginal. Com história construída por vários adjetivos, João Francisco dos Santos tem sua vida contada no filme Madame Satã, que será exibido na terça-feira (14), na tela montada no bosque do Sesc Thermas de Presidente Prudente. Com entrada gratuita, a sessão do Cine Bosque tem início às 20h30.

 

O longa-metragem retrata a vida da referência na cultura marginal urbana do Século 20, o transformista João Francisco dos Santos, antes de virar o mito "Madame Satã". Em novembro de 2015, o filme entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

 

A produção cinematográfica integra a programação especial do Sesc Thermas para o mês da Consciência Negra, formada por um conjunto de ações que refletem cenários, produções, personagens, crenças e valores da cultura negra, com o objetivo de fortalecer e valorizá-la para a construção de uma sociedade pautada no respeito à diversidade étnico-racial e cultural.

 

Até o fim do mês, dois filmes ainda são apresentados nas noites de terças. São eles: Faça a Coisa Certa (21/11) e Sangoma (28/11).

 

Mais sobre Madame Satã

 

Produzido em 2002, o filme com direção de Karin Aïnouz teve o nome emprestado do homônimo de Cecil B. de Mille, de 1930. A história se passa em 1932, momento em que o sonho de João Francisco, interpretado por Lázaro Ramos, - tornar-se uma estrela do palco - se transforma em realidade.

 

Negro. Pobre. Malandro. Nordestino. Homossexual. Analfabeto. O transformista que encantava o Carnaval com suas fantasias também era o pai de família que cuidou de seis filhos. A ambiguidade era uma característica sua e ele sabia disso.

 

Quando ainda não se falava abertamente em “transformista” e o termo “drag queen” nem havia sido criado, um sujeito violento, bom de briga e ao mesmo tempo delicado, gay e com notável talento artístico se tornaria uma das figuras mais mitológicas da cultura carioca.

 

SERVIÇO


 

CINE BOSQUE – Especial Consciência Negra

 

Madame Satã

(Brasil, 2002, 115 minutos. Drama. Direção: Karin Aïnouz).

Dia 14 de novembro, terça-feira, às 20h30.

Na Bosque do Sesc Thermas.

Grátis. Classificação indicativa: 14 anos.

 

-- 

Willy Macedo
Interplan
Cultura Inglesa