Entrevistas • Gerais

30 de Julho de 2020

TOM ZAMBRINI, cerimonialista

Fomos os mais afetados pela pandemia”

Desde 1990 no mercado como mestre de cerimônias, cerimonialista e produtor de

festas e eventos, Tom Zambrini, 50 anos, reclama que a crise cerceou o setor de gerar

renda, além de ter sido “totalmente ignorado”. Pede linhas de créditos para manter esse setor tão importante da economia local vivo até a retomada de suas atividades.

Qual impacto da pandemia no setor?

Fomos o mercado mais afetado nessa pandemia, totalmente cerceados de nossa possibilidade de gerar renda. O mercado de eventos foi praticamente zerado dia 15/03/20. Somos o mercado mais vigiado pelos patrulheiros de plantão. Viramos referência do que não se fazer nesse momento. Já tivemos empresas que atuavam há mais de 50 a 40 anos no meio de eventos, sólidas e tradicionalíssimas, que fecharão suas portas nesses quatro meses.

 

O que pode ser feito para minimizar essa situação?

Somos também o mercado mais ignorado. Não tivemos nenhuma linha de crédito ou mesmo auxílio que compreendesse o nosso mercado específico, nós do interior, tivemos que brigar com grandes empresas do setor de promoção de grandes feiras, enquanto 35% dos empresários desse setor específico conseguiram verbas para cancelarem seus eventos e realizarem os mesmos futuramente. O setor ficou entregue a sua sorte. Precisamos urgente de linhas de créditos para manter esse setor tão importante da economia local vivo até a retomada de suas atividades.

Quais alternativas para os profissionais da área?

Somos um mercado de especialistas, temos na região de Prudente, um dos núcleos mais avançados de especialistas na área de eventos do estado, mas é difícil realocar um especialista dessa área em outra, para que os mesmos continuem a desempenhar esse trabalho de qualidade no mesmo patamar. Mas temos alguns desses profissionais que estão fazendo da sua palavra de ordem a “sobrevivência”, para isso os mesmos estão arranjando saídas para sobreviverem até a volta das atividades, o que é muito importante! Doceiras, decoradores e fotógrafos estão fazendo festas minimalistas para crianças e seus pais. Técnicos de som e iluminação juntamente com profissionais de foto e vídeo, estão fazendo Lives. Profissionais da alimentação estão tentando atender no varejo o que antes faziam no atacado. Profissionais com mais experiência estão produzindo conteúdo para internet. Todos tentando apenas sobreviver.

Como se reinventar e minimizar as perdas?

Todos os profissionais da área estão nesse momento enxugando suas máquinas, custos e produção, se não estão já ficaram para trás. Temos que nos adequar à nova realidade, ser mais antenados nas novas tecnologias e metodologias, cada vez mais entender que o mundo mudou, e muita coisa que se fazia antes principalmente nos eventos sociais, muito mais por tradição do que necessidade, devem sofrer atualizações, pois essa Pandemia nos mostrou que novos tempos realmente chegaram.

Como será a volta na sua opinião?

Infelizmente nossa volta será apenas após o inicio de uma vacinação em massa, pois quem vai querer ir para um evento com 300 pessoas fechadas dentro de um salão com ar condicionado, bebida, comida e muita música, sem saber que está totalmente protegido? Dei aqui um exemplo de um evento médio, agora pense nas formaturas, nos grandes shows. Precisamos sim antes de pensar apenas no lado econômico pensar também no bem estar dos nossos clientes. Por isso peço a população em geral, preocupe-se e prestigie os profissionais da área de eventos, pois vocês iriam precisar muito de nós após essa longa jornada.

 

O Imparcial
Willy Macedo