Entrevistas • Gerais

04 de Agosto de 2020

ANGELITA IBANHES DE ALMEIDA OLIVEIRA LIMA

Vivemos em tempos de um desafio coletivo”

Angelita Ibanhes de Almeida Oliveira Lima, 47 anos, nasceu em Alfredo Marcondes. É formada em Administração de Empresas, Pedagogia e tem Mestrado em Educação pela Unoeste. Casada com Augusto Cesar Oliveira Lima, com quem tem dois filhos, Laura Almeida de Oliveira Lima, de 20 anos, e Agripino de Oliveira Lima Neto, 15 anos.

Como é ser mãe em meio a essa quarentena?

Ficar em casa com a família nos permitiu maior convivência, participando da vida dos filhos em tempo integral. Em meio a muitas incertezas, sei que ser mãe e entregar o seu melhor para alguém, incondicionalmente, respeitando o espaço de cada um.

Qual melhor forma de encarar esse período?

Precisamos aceitar que não temos controle sobre esse vírus. O desafio é coletivo. Sabemos da importância do isolamento, protegendo aqueles que amamos.

Como tem sido sua rotina?

Fazendo exercícios diariamente, tentando manter uma boa alimentação, dividindo tudo isso com as atividades escolares do meu filho, e boas conversas com minha filha.

Qual o ensinamento que ficará sobre essa situação que aflige o mundo?

A pandemia traz muitas reflexões: sobre o quanto somos vulneráveis à natureza. Momento de repensar valores econômicos, costumes, relações de convivência, família, amigos, doenças, oportunidades e senso de normalidade.

 

 

Willy Macedo
O Imparcial